Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2014

Como avaliar os alunos em Educação Física?

Bruna Nicolielo. Com reportagem de Rita Trevisan

Os instrumentos de avaliação devem ser diversificados para que não haja a supervalorização do desempenho dos alunos nas atividades que exigem habilidades motoras. Afinal, a concepção mais atual de avaliação em Educação abarca o processo e não apenas os resultados finais. O exame deverá informar ao professor e aos alunos sobre o andamento da aprendizagem, a necessidade de modificar o que vem sendo feito e os pontos mais e menos fortes do trabalho pedagógico. A atribuição da nota poderá ser feita com base nos resultados obtidos em diversos tipos de exercício, em trabalhos e provas escritos e na elaboração de um projeto - uma coreografia de dança, um roteiro de atividades, um diário de campo - que abordem temas como brinquedos e brincadeiras que caracterizam determinados grupos sociais ou espaços geográficos, modalidades esportivas internacionais ou radicais, ginásticas competitivas ou profiláticas, lutas ou artes marciais, danças nativas o…

Mário Ferreira dos Santos: a diferença entre ética e moral

Ao ser humano cabe a frustrabilidade de certos atos, que pode ele fazer ou não. Os animais dizem sempre sim à natureza. O homem, porém, pode dizer não. Nesse “não” está o índice de sua grandeza, a abertura de sua elevação, mas também o primeiro passo para os seus erros. O homem pode frustrar o dever-ser. O dever-ser dos animais é fatal porque eles obedecem aos instintos. Mas o do homem é frustrável, porque ele é inteligente e dispõe da vontade. E por que se dão tais coisas? As razões são simples: o homem não é um ente imutável e eterno. É um ente mutável e temporal. Sua vida é um longo itinerário, um longo drama, porque ele atua e sofre sucessivamente uma longa realização dramática, porque ele age e faz. E como age e faz, ele prefere e pretere. Por isso, ao longo do drama humano, ao longo da sua práxis, da sua prática, o homem avalia valores. Em toda vida prática do homem há a presença dos valores que são julgados, preferidos e preteridos. Onde há ação humana, há a presença do valor,…

A gramática: como ensiná-la António J. Lavouras Lopes*

A gramática: como ensiná-la António J. Lavouras Lopes* A gramática escolar deve ser descritiva, explicativa e normativa. Assim deve ser apresentada em manual e assim deve ser ensinada. Para cada uma destas vertentes, não deverá ser esquecido o que de melhor foi produzido pelos estudos linguísticos tradicionais e pela linguística moderna.

A tradição gramatical portuguesa inicia-se com uma obra de acentuado pendor descritivista. Tendo em vista a normativização, Fernão de Oliveira (1536) sentiu a necessidade de recorrer a uma descrição bastante fina dos sons da língua. A necessária fixação da ortografia na altura, para ser lógica e aceitável, carecia da evidência de uma ordem no plano fónico, extraída do uso, e foi o que o primeiro gramático português fez.

A presença tutelar da gramática latina, que, curiosamente, ganhou importância no período (Renascimento) em que a língua vernácula se afirma como expressão da nacionalidade, inviabilizou as tentativas de valorização e defesa do ensino da…

Cabeçalho ou cabeçário

Cabeçalho ou cabeçário A forma correta de escrita da palavra é cabeçalho. A palavra cabeçário está errada. Devemos utilizar o substantivo comum masculino cabeçalho sempre que quisermos referir as informações colocadas na parte superior de uma página, coluna, tabela ou seção de um documento, como o título, o nome do autor, o número da página,… 

A palavra cabeçalho é formada a partir de derivação sufixal, ou seja, é acrescentado um sufixo a uma palavra já existente, alterando o sentido da mesma. Neste caso, temos o substantivo cabeça mais o sufixo nominal aumentativo -alho. 

O erro de transformação da palavra cabeçalho em cabeçário pode ocorrer devido ao fato do sufixo -ário ser comumente mais utilizado do que o sufixo –alho ou então por simples erro de pronúncia. 

Exemplos: 
Favor preencher o cabeçalho com letras maiúsculas. 
É preciso corrigir os erros ortográficos presentes naquele cabeçalho. 
O cabeçalho do jornal de hoje era muito sensacionalista. 

Fique sabendo mais! 
Cabeçalho também se…

REPÚBLICA SOVIÉTICA DO BRASIL - AI5, ops, Decreto 824314, de Dilma - GOLPE!

Obrigado pela visita, e volte sempre.